jump to navigation

A ida aos casamentos 19/05/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
5 comments

casamentoQuando eu era mais novo, infelizmente havia muitos casamentos para os quais os meus pais estavam convidados. Na minha opinião, os casamentos eram um aborrecimento.

Nesses dias, tinha que acordar cedo, o que já era mau. Depois, era obrigado a usar roupa e calçado que não queria, como por exemplo sandálias com solas de borracha, que me aqueciam os pés e mos assavam.

Tive o azar de ir a casamentos longe de casa, o que implicava viagens massacrantes. Depois de lá chegar, vinha a parte pior, que era a cerimónia. A missa era um momento que, para mim, servia apenas para adormecer. As horas passavam e eu sem comer, o que era outra tortura.

A tarde ainda era pior: não tinha primos para brincar e ficava apenas com a minha irmã. Tudo demorava. As horas pareciam eternas. Havia muitas vezes o jantar, que também demorava muito tempo. E só no final regressávamos a casa. Por vezes, até ficávamos lá, em casa de familiares dos noivos.

Eram dias intermináveis. Na minha opinião, as crianças não deveriam ir aos casamentos ou, caso fossem, deveriam ter alguma coisa com que se entreter.

Jorge Martins, nº11, 8ºD

Anúncios

Memórias de Infância 19/05/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

gatoVou falar-vos do meu primeiro animal de estimação. “Folhinhas” era um gato brincalhão e eu adorava-o. Certo dia, saiu de casa e, durante muito tempo, acreditei que voltasse. A espera deixava-me angustiada.

Num dia de outono, recebi um gatinho, recordo-me perfeitamente! Fiquei felicíssima com a surpresa. Passei o dia a brincar com ele e a tentar encontrar-lhe um nome. De repente, vi que ele andava constantemente junto de um jarrão de plantas. Não, não era para brincar – ele comia as folhas, daí o seu nome, “Folhinhas”.

Adorava dormir no meu colo, aconchegando a cabeça o mais que podia, ronronando quando lhe acariciava o pelo macio, cor de ouro, com um branco imaculado à mistura.

Uma manhã solarenga, Folhinhas saiu de casa e a espera tornou-se infinita, ele não voltou… Recordo-me que chorei imenso e que este foi o momento mais desagradável e triste que relembro da minha infância.

Beatriz Bastos Marques, 8.ºD, n.º 1

Poema à maneira de Mendinho 01/04/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

fotos-do-universo-galaxia-nebulosa-21Estava eu ao luar

Especada a pensar

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Terá sido o Big Bang?

E lá continuava eu a pensar

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Não encontrava uma explicação

Para esta tal explosão

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Estava eu a olhar

para aquela imensidão

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Estrelas, cometas

Meteoritos e plutão…

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Plutão? Porquê planeta anão?

Parece que nada tem uma explicação…

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

Beatriz Marques, 8.ºD, n.º1

Primeira página do meu diário 09/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
8 comments

Cedrim, 01 de Dezembro de 2014

Querido diário,cristiano

É a primeira vez que te estou a usar e vou-te chamar Ronaldo porque é em homenagem ao Cristiano Ronaldo, que é para mim o melhor jogador do mundo e é o meu ídolo; gostava de jogar como ele.

Vou falar mais sobre mim, sou um pouco sensível e muito engraçado. Gosto muito de fazer as pessoas rir, sou amigo do meu amigo e não gosto que gozem comigo.

Sou pequeno e magrinho, mas chego onde quero e já não me importo com o que os outros dizem.

Sou Portista de coração, tenho uma enorme paixão pelo Porto e pelo futebol, que é uma coisa que me corre nas veias.

O que mais gosto de fazer é estar com os meus amigos, jogar futebol e estar com a minha família.

 

Pedro Costa, n.º 18, 8ºD

Resmungona 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
2 comments

Quem olha para mim vê logoMafalda

Como eu sou resmungona

Deviam passar a chamar-me

Mariana, a refilona

 

Quero tudo à minha maneira

Nada me pode faltar

Tenho pena daqueles

Que têm de me aturar!

Mariana Marques, n.º15, 8ºD

OS AVÓS – Comentário crítico 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
2 comments

Comentário crítico à afirmação seguinte:

“Os avós são referências essenciais na nossa vida, tanto na infância como na idade adulta; da convivência com eles retiramos ensinamentos que não se aprendem nos livros e que transmitimos de geração em geração.”

Concordo com a afirmação pois os avós são importantes para o nosso desenvolvimento físico e psicológico.

Os avós ensinam-nos a fazer coisas, tarefas práticas, por exemplo os meus avós maternos avós3_300x169ensinaram-me a tratar dos animais e a minha avó ensinou-me a fazer um bolo quando eu tinha 10 anos. Outro ensinamento da minha avó é que a aguardente faz bem a tudo.

Além disso, os meus avós maternos sempre estiveram muito próximos. Apesar de morarmos a cerca de 8kms, vêm de autocarro às quartas-feiras para ajudar a minha família nos trabalhos agrícolas. Nesses dias, fazem as refeições connosco.

Em suma, a afirmação é certeira, porque os avós ajudam toda a família, sendo elementos fundamentais para manter a coesão familiar e faltará decerto muita coisa no dia em que eles já não estiverem entre nós.

 Jorge Martins, n.º 11, 8.ºD

Síntese do texto “Perturbações do sono” 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

sono-leveEste texto (pg. 102-103) fala-nos das perturbações do sono e o grupo de alunos que o escreveu concluiu que o sono é fundamental á vida.

O texto refere que o ser humano passa um terço da sua vida a dormir e apesar de se pensar que o organismo está parado, o cérebro durante o sono continua activo.

O sono é fundamental á vida e tem a função de reabilitar o corpo, mas se o ser humano não dormir o suficiente pode ter problemas de memória, na capacidade física e também perde a capacidade de desenvolver cálculos matemáticos.

Referem os autores deste texto que cerca de 40 milhões de Americanos têm perturbações e podem vir a ter doenças cronicas a longo prazo. Outros 20 milhões têm problemas de sono ocasionalmente.

 

Francisco Machado, n.º7, 8ºD

Página de diário 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

Paradela do Vouga, Quarta-feira, 1 de outubro de 2069

Querido diário,

Resolvi comprar-te porque quando vou ao Pingo Doce, não vou lá só para ver as coisas nas autobiografiaprateleiras; também te dei o nome de David. Eu sou um jovem alto e um pouco magro, tenho 13 anos e gosto de raparigas simpáticas, bonitas e o resto não te vou dizer.

Hoje acaba o ano letivo; espero passar de ano porque para o ano já posso sair da escola. Eu acho que só vou ter uma negativa, mas os professores é que sabem a nota que me vão dar.

 

Adeus, até amanhã

Francisco

Francisco Machado, n.º7, 8ºD

Página de diário 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
add a comment

Sever do Vouga, 12 de maio de 2014

Olá,

Um diário nunca foi nada que ambicionasse fazer, mas, visto que mo ofereceram, posso experimentar fazer isto.

Sou o Eduardo, um nome inspirado no Edu duma novela que a minha irmã adorava. Sou uma pessoa normal com uma família perfeitamente normal e moro numa casa super-normal.diário

Vou chamar-te Vincent pois acho um nome bastante interessante para uma pessoa que só ouve e não fala.

Basicamente, hoje estou mais feliz do que nunca, pois encontrei alguém com quem desabafar em alturas difíceis o que, hoje em dia, não é muito fácil, pois tudo aquilo em que penso pode vir a ser adivinhado por uma máquina qualquer que eventualmente venha a ser inventada. Tudo se resume à vontade do Homem de avançar e fazer novas descobertas (muitas delas perigosas).

Adeus… Até um dia destes,

                Eduardo

                                                                    Eduardo Veiga | Nº6 | 8ºD

OS MEUS AVÓS 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
add a comment

Comentário crítico à afirmação seguinte:

“Os avós são referências essenciais na nossa vida, tanto na infância como na idade adulta; da convivência com eles retiramos ensinamentos que não se aprendem nos livros e que transmitimos de geração em geração.”

Concordo com a afirmação porque os avós são essenciais para a vida dos seus filhos e dos seus netos, Avós2ensinam-nos coisas sérias mas também brincam connosco.

Os avós ensinam aos netos muitas coisas, por exemplo, no meu caso estes familiares ensinaram-me que a vida não é sempre feita de felicidade.

Estes grandes amigos também tomam conta dos netos, por exemplo, os meus avós e eu vivemos muito tempo da nossa vida juntos.

Os avós cuidam e educam os seus netos e os seus filhos.

 

Duarte Ladeira, nº5, 8ºD

OS MEUS AVÓS 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

Comentário crítico à seguinte afirmação:

“Os avós são referências essenciais na nossa vida, tanto na infância como na idade adulta; da convivência com eles retiramos ensinamentos que não se aprendem nos livros e que transmitimos de geração em geração.”

Eu concordo com a afirmação feita sobre os avós porque eles ensinam coisas que nos poderão ser úteisavos4 para a nossa vida.

Os meus avós são os mais velhos da família e hoje em dia dão-nos mais carinho do que deram aos filhos porque sentem que não foi o suficiente.

Quando eu era pequeno a minha avó ficava a cuidar de mim e lembro-me de uma vez, quando tinha 3 anos, em que fui picado por uma abelha; chorei muito, mas depois fiquei bem.

Com o meu avô aprendi a jogar às damas e ele levava-me à música, mas infelizmente ele morreu. Se fosse agora, antes de ter perdido o meu avô tinha-lhe dado mais valor e tinha passado mais tempo com ele.

Devemos gostar dos nossos avós e saber respeitá-los porque em qualquer momento podemos ficar sem eles.

 

Nuno Gonçalo Gomes Dias nº17 8ºD

OS AVÓS 18/12/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

Comentáio crítico à seguinte afirmação:

“Os avós são referências essenciais na nossa vida, tanto na infância como na idade adulta; da convivência com eles retiramos ensinamentos que não se aprendem nos livros e que transmitimos de geração em geração.”

Eu concordo com a afirmação, pois os avós ensinam-nos coisas que só os mais antigos sabem.avós3_300x169

Uma das razões é porque eles pensam que não deram amor suficiente aos filhos e então tentam dar o máximo de valor e carinho aos netos.

Outra razão é que os avós são as pessoas da nossa vida que nos ensinam mais coisas como respeitar, aprender e saber viver.

Os avós adoram-nos porque muitos deles dizem que nós (os netos) somos a razão de eles viverem e isso é uma prova de amor muito importante.

Resumindo, os avós são espetaculares e se não fossem eles a nossa vida seria mais triste, desanimada e sem piada.

Daniel Henriques, n.º2, 8ºD

VERÃO 28/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

verãoTenho tantas saudades do verão

Tenho tantas saudades do mar

Da brisa fresca matinal

Que corria a refrescar

 

Na areia podia brincar

E trabalhar “pró” bronze

Durante o dia olhar para o mar

E à tarde ir passear

Nuno Gonçalo Gomes Dias n°17 8°D

Comentário crítico sobre os avós 26/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
2 comments

Concordo com a afirmação, pois os avós ensinam-nos coisas, dão-nos conselhos que passam de Avós2geração em geração.

De facto, os meus avós maternos, pois infelizmente os meus avós paternos faleceram antes de eu nascer, deram-me ensinamentos importantes, os quais eu nunca esquecerei, por exemplo contavam-me histórias das quais eu tirava uma lição de vida.

A segunda razão pela qual concordo com a afirmação é que eu tenho uma ligação muito forte com eles e sem os avós a minha vida e a minha forma de pensar não eram as mesmas, pois eles são essenciais para a nossa vida, tanto na infância como na vida adulta, por exemplo, eles dão-me conselhos e mostram-me maneiras diferentes de pensar no meu dia-a-dia.

 

Beatriz Marques, 8.ºD, n.º 1

 

À MINHA MANEIRA 19/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
add a comment

Para te divertiresalegre

Vem ter comigo,

Para sorrires

Com um amigo.

 

Jogadora da bola

Aqui estou eu,

Mas quando me salta a “tampola”

Defendo tudo o que é meu.

 

Por vezes cusca e faladora,

Mas sempre pronta a ajudar

Quando quero sou super trabalhadora

Mas também dá tempo para teclar.

 

Às vezes desastrada,

Mas sempre feliz

Às vezes atrapalhada,

Mas pouca coisa me deixa infeliz.

 

Daniela Henriques, nº2, 8ºD

SOU CRIATIVO 19/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
2 comments

ideiaDesde tenra idade

Comecei a desenhar

O campo ou a cidade

Paisagens para pintar

 

Toco piano e falo francês

Mas prefiro o inglês

Na escola aprendo a resposta

Para os meus muitos porquês

 

Gabriel Nogueira nº8 8ºD

FALADORA 19/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
3 comments

faladoraFalo, falo

Sem nunca hesitar

Preciso de ajuda

Alguém me faça parar

 

Sou uma faladora

Muito irrequieta

Quando faço alguma coisa

Nunca passo discreta

 

Gosto de falar

Não me tentem mudar

Porque aquilo que faço é tagarelar.

 

Mariana Pereira Nº14 8ºD

Teimosa ou caprichosa… 17/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

Sou uma pessoa teimosa,menina

e talvez por isso

às vezes me apelidam

de caprichosa…

 

Mas esta teimosia

se por vezes é defeito

outras há em que é

uma mais-valia!…

Beatriz Marques, 8.ºD, n.º 1

Sou feliz 17/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

smileEu sou feliz

É assim que eu sou

Não importa o que os outros dizem

Porque eu sou assim, feliz!

 

Estou na boa e na paz

Tudo fixe para um rapaz

Gosto de estudar

Mas também de me divertir

Portanto eu sei que sou capaz!

Daniel Henriques     Nº2     8ºD

O MUNDO 17/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
2 comments

Como a água límpida da nascente,mundo

O nosso mundo tão belo era.

Por vezes como uma estrela cadente,

Sim era essa a nossa terra!

 

Agora é de um azul pouco claro,

Meio desbotado.

Por vezes nem o vemos,

Com a poluição que aqui fazemos.

 

Se ao menos houvesse uma solução,

Um meio de revolução,

Contra os meios de comunicação,

Que fazem esta poluição.

 

O nosso mundo podia,

Ser tão belo como era.

Até podia recuar,

Uma Era, outra Era.

 

O mar outrora gigante,

Com aquele grande encanto

Que embalava com amor,

E aquele doce canto.

 

 

Tudo isso acabou e findou,

Sem dar volta o tempo atrás

Não podemos recuar

Àquele mundo de alegria e paz.

 

Mariana Pereira Nº14 8ºD

A Fuga da Escola 08/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
1 comment so far

Num dia lindo de sol a Raquel e o Diogo chegaram à escola e ficaram a saber que os professores tinham faltado e não havia aulas,0_rivoli_25_mar só que não podiam sair da escola.

Então, foram passear pela escola para ver se arranjavam alguma maneira de sair dali para fora sem ninguém dar por nada.

O Diogo começou a correr e gritou:

– Raquel, acho que encontrei uma saída.

Ela subiu as escadas a correr e nem uma só vez olhou para trás e disse muito contente:

– Muito bem, Diogo, agora podemos sair da escola sem ninguém dar conta.

Olharam um para o outro muito contentes e com um grande sorriso na cara.

A saída não tinha porteiros nem ninguém que os impedisse de irem embora. Então, pegaram nas suas mochilas carregadinhas de livros e foram muito contentes para suas casas.

 

Pedro Costa, N.º 18, 8ºD

Biografia imaginária de Maria dos Santos 08/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
3 comments

Chamava-se Maria dos Santos, tinha 33 anos, era uma das cabeleireiras mais famosas do mundo, era vaidosa, muito rebelde e Biografia_meninamuito sociável.

Nasceu no dia dois de março de 1995. Aos 3 anos disse à mãe que queria ir para uma academia de música, para aprender a tocar guitarra clássica e mãe fez-lhe a vontade. Aos 4 anos já era uma das melhores guitarristas da sua idade.

Aos 18 anos teve o seu primeiro namorado; no dia vinte e seis de outubro de 2013 o seu namorado levou-a a Paris para visitar a Torre Eiffel e ficaram por lá 1 mês e duas semanas. Ao regressarem a Portugal, o avião caiu e ela e o seu namorado morreram; no dia 28 de outubro de 2013 foi o enterro dos dois.

 

Mário Bastos, Nº 16, 8ºD

Biografia imaginária de Marie Bardot 08/11/2014

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
3 comments

Marie Bardot nasceu no seio de uma família da classe média em pleno centro de Paris. Lunática desde pequena, fez análises a Biografiafolhas de oliveira com apenas três anos. Bonita e estilosa, iluminou o mundo da música quando começou a tocar guitarra no Conservatório Parisiense. Filha de um médico e de uma modelo inglesa, hoje tem 78 anos.

Marie veio para o Porto estudar, refugiada da pressão. Fez alguns cálculos nos cafés mais importantes como o Majestic e o “Piolho” e comprou as suas enciclopédias famosas na Lello, deixando assim um legado na história de compradores da livraria.

Depois de várias sessões fotográficas, já em Paris, decide seguir o mundo da moda, desfilando os seus vestidos na Moda Paris.

Passados longos anos de vida na passerelle, regressa à Química em 1991, recebendo o Nobel da Química em 1999 pela descoberta de células unicelulares complexas. Em 2001 é galardoada com o prémio Marie Curie, em Paris e foi, inclusivamente, reconhecida pela Universidade de Oxford.

Hoje em dia vive feliz com o ex-marido da Duquesa de Alba, no Porto.

 

Eduardo Veiga, Nº6 , 8ºD

Homenagem ao 8.ºD, pela Natália 17/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment
Num lindo dia de sol 
lá estão vocês sempre unidos 
com muito amor para dar.
X
Tristeza e  derrota
vocês nunca vão encontrar.
No meu coração, ah!
lá sempre vão estar.
x
Tenho vontade de cantar 
uma linda melodia para explicar
que o 8º D eu sempre vou amar.

x

Natália Rodrigues, do… 8.ºD!

Mãe 17/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment
d
Mãe, desculpa-me por não ser 

mais aquela criança inocente.
Já não tenho medo do escuro,
já não brinco com as bonecas .
 s
Desculpa, mãe, por ter crescido,
desculpa-me por já ser forte para me defender,
desculpa-me por às vezes não te entender.
Mas eu ainda sou a menininha do teu coração
que irá sofrer se um dia te perder. 
d
NATÁLIA RODRIGUES
inspirada pelo “Poema à Mãe”, de Eugénio de Andrade

“Poema à Mãe”, de Eugénio de Andrade 06/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

 No mais fundo de ti,

 eu sei que traí, mãe

 

Tudo porque já não sou

 o retrato adormecido

 no fundo dos teus olhos.

 

Tudo porque tu ignoras

 que há leitos onde o frio não se demora

 e noites rumorosas de águas matinais.

 

Por isso, às vezes, as palavras que te digo

 são duras, mãe,

 e o nosso amor é infeliz.

 

 Tudo porque perdi as rosas brancas

 que apertava junto ao coração

 no retrato da moldura.

 

Se soubesses como ainda amo as rosas,

talvez não enchesses as horas de pesadelos.

 

Mas tu esqueceste muita coisa;

 esqueceste que as minhas pernas cresceram,

 que todo o meu corpo cresceu,

 e até o meu coração

 ficou enorme, mãe!

 

 Olha — queres ouvir-me? —

 às vezes ainda sou o menino

 que adormeceu nos teus olhos;

 

ainda aperto contra o coração

 rosas tão brancas

 como as que tens na moldura;

 

ainda oiço a tua voz:

Era uma vez uma princesa

No meio de um laranjal…

 

Mas – tu sabes – a noite é enorme,

 e todo o meu corpo cresceu.

 Eu saí da moldura,

 dei às aves os meus olhos a beber.

 

Não me esqueci de nada, mãe.

Guardo a tua voz dentro de mim.

 E deixo-te as rosas.

 

Boa-noite. Eu vou com as aves.

 

in Os Amantes sem Dinheiro

Este é o poema mais lindo do mundo,

na opinião da Natália Rodrigues, do 8.ºD

Ó sol!… 05/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment
Ó sol, porque queimas as violetas?
Ó sol, porque brilhas tanto?
Ó sol, ó sol, porque é que o teu calor é tão intenso?
 
Porque as violetas não podem ser mais belas do que eu.
Porque quero iluminar o mundo todo com a minha luz.
Porque quando estás triste, as nuvens também choram.
Porque quero aquecer todas as almas. 
 

Natália Rodrigues, Ana Tavares, Dina Clara e a Márcia Cambra, todas do 8.ºD

 

Tu és… 05/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment
Tu és a flor do meu jardim
Que brilha no meu coração,
És a luz da minha vida,
És a minha razão.
p
Natália Rodrigues, 8.ºD

“Esperança”, de Miguel Torga 05/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
1 comment so far

Tantas formas revestes, e nenhuma
Me satisfaz!
Vens às vezes no amor, e quase te acredito.
Mas todo o amor é um grito
Desesperado
Que apenas ouve o eco…
Peco
Por absurdo humano:
Quero não sei que cálice profano
Cheio de um vinho herético e sagrado.    

  inPenas do Purgatório’

(Poema escolhido por Bruna Pereira, 8.ºD)

“Viagem”, de Miguel Torga 05/06/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

É o vento que me leva.
O vento lusitano.
É este sopro humano
Universal
Que enfuna a inquietação de Portugal.
É esta fúria de loucura mansa
Que tudo alcança
Sem alcançar.
Que vai de céu em céu,
De mar em mar,
Até nunca chegar.
E esta tentação de me encontrar
Mais rico de amargura
Nas pausas da ventura
De me procurar…

in ‘Diário XII’

(Poema escolhido pela Bruna Pereira, do 8.ºD)

Foi um sonho que eu tive 30/05/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

Foi um sonho que eu tive

Eram pássaros a voar

Soltos no ar

Num céu tão livre.

 

Voar até ao sol amarelo

É ter ilusão de um mundo livre.

Alcançar tudo o que é belo:

É assim que um pássaro vive.

 

Quem dera que assim fosse,

Que houvesse sempre liberdade,

Que os pássaros tivessem uma vida doce,

Sempre, sempre com muita felicidade.

 

Bruna Rodrigues Pereira Nº6 8ºD

(Inspirado no poema de Miguel Torga, “Brinquedo”)

Uma amiga para sempre 29/05/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

Vejo-a todos os dias

De manhãzinha

Uma bonita adolescente

Sorrindo alegremente

Inteligente

Uma amiga para sempre,

Nos bons e bons maus momentos,

Que me deixa no coração

Sempre e sempre o seu apoio.

 

Bruna Rodrigues Pereira, nº6, 8ºD

(Inspirada no poema de Miguel Torga, “Lição”.)

 

Há palavras que nos mordem! 22/05/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
1 comment so far

 

Há palavras que nos mordem

Como se tivessem grandes dentes

Palavras de raiva, de mágoa,

Essas são palavras dementes.

 

Bruna Rodrigues Pereira, 8.ºD (inspirada no poema de Alexandre O’Neill “Há palavras que nos bneijam”)

Eu gosto é do desporto! 22/05/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

No desporto a alegria anda no ar.

No desporto as derrotas andam no ar.

No desporto as vitórias andam no ar.

E eu não consigo parar de jogar.

 

No desporto os dias ficam melhores.

No desporto as roupas ficam molhadas.

No desporto o calor derrota-nos,

Mas mesmo assim não vou deixar de o praticar.

m

Eu gosto é do desporto.

Pratico-o todos os dias,

Quer chova, quer faça sol.

Abrilhanta os meus dias,

Quer chova, quer faça sol.

m

Na praia ou na montanha.

Com a prancha na mão ou a correr,

Dá-me energia e faz-me crescer.

Vai ficar comigo até eu morrer.

 

Bruna Rodrigues Pereira, n.º6,  8.ºD (inspirada pela música “Eu gosto é do verão”, dos Fúria do Açúcar)

“A dor”, Augusto dos Anjos 06/04/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
Tags:
add a comment

Chama-se a dor, e, enquanto passa, enluta

E todo o mundo que por ela passa

Há de beber a taça da cicuta

E há de beber até ao fim da taça

 

Há de beber, enxuta o olhar, enxuta

A face, o travo há de sentir, e a ameaça

Amarga dessa desgraça fruta

Que é a fruta amargosa da Desgraça!

 

E quando o mundo todo paralisa

E quando a multidão toda agoniza,

Ela, inda altiva, ela, inda o olhar sereno.

 

De agonizante multidão rodeada,

Derrama em cada boca envenenada

Mais uma gota do fatal veneno!

 

AUGUSTO DOS ANJOS

Seleção de Luís Laranjeira, 8.ºD

“Amo como o amor ama” – Fernando Pessoa 06/04/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
Tags:
1 comment so far

 MARIA:

Amo como o amor ama.

Não sei razão pra amar-te mais que amar-te.

Que queres que te diga mais que te amo,

Se o que quero dizer-te é que te amo?

Não procures no meu coração…

Quando te falo, dói-me que respondas

Ao que te digo e não ao meu amor. (…)

Ah, não perguntes nada, antes me fala

De tal maneira, que, se eu fora surda,

Te ouvisse toda com o coração.

Se te vejo não sei quem sou; eu amo.

Se me faltas, (…)

Mas tu fazes, amor, por me faltares

Mesmo estando comigo, pois perguntas

Quando deves amar-me. Se não amas,

Mostra-te indiferente, ou não me queiras,

Mas tu és como nunca ninguém foi,

Pois procuras o amor pra não amar,

E, se me buscas, é como se eu só fosse

O Alguém pra te falar de quem tu amas.

(…)

Quando te vi, amei-te já muito antes.

Tornei a achar-te quando te encontrei.

Nasci pra ti antes de haver o mundo.

Não há coisa feliz ou hora alegre

Que eu tenha tido pela vida fora,

Que não o fosse porque te previa,

Porque dormias nela tu futuro.(…)

E eu soube-o só depois, quando te vi,

E tive para mim melhor sentido,

E o meu passado foi como uma estrada

Iluminada pela frente, quando

O carro com lanternas vira a curva

Do caminho e já a noite é toda humana.

 (…)

Quando eu era pequena, sinto que eu

Amava-te já hoje, mas de longe,

Como as coisas se podem ver de longe,

(…)

Amor, diz qualquer coisa que eu te sinta!

 

FAUSTO:

Compreendo-te tanto que não sinto.

Oh coração exterior ao meu!

Fatalidade filha do destino

E das leis que há no fundo deste mundo!

Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto

De o sentir…?

(….)
FERNANDO PESSOA, in Primeiro Fausto 

 Seleção de Rúben Almeida, 8.ºD

Consulta o poema integral aqui: http://arquivopessoa.net/textos/949

“Amor é fogo que arde sem se ver” – de Luís de Camões 28/03/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
Tags:
add a comment

Amor é fogo que arde sem se ver;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer;

 

É um não querer mais que bem querer;

É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder;

 

É querer estar preso por vontade;

É servir a quem vence, o vencedor;

É ter com quem nos mata lealdade.

 

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade,

Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

                            Luís de Camões


O poema mais lindo do Mundo, escolhido pela Ana Beatriz Soares Carvalheira, 8ºD.

Mais poemas deste autor AQUI.

“Versos Versos! Versos! Sei lá o que são versos…” – Florbela Espanca 24/03/2012

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
Tags:
add a comment

Versos Versos! Versos! Sei lá o que são versos…
Pedaços de sorriso, branca espuma,
Gargalhadas de luz, cantos dispersos,
Ou pétalas que caem uma a uma…

Versos!… Sei lá! Um verso é o teu olhar,
Um verso é o teu sorriso e os de Dante
Eram o teu amor a soluçar
Aos pés da sua estremecida amante!

Meus versos!… Sei eu lá também que são…
Sei lá! Sei lá!… Meu pobre coração
Partido em mil pedaços são talvez…

Versos! Versos! Sei lá o que são versos…
Meus soluços de dor que andam dispersos
Por este grande amor em que não crês…

Florbela Espanca, in “A Mensageira das Violetas”

ALGUNS DADOS BIOGRÁFICOS:

           Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa, a 8 de Dezembro de 1894,e faleceu em  Matosinhos, a 8 de Dezembro de 1930, no seu trigésimo sexto aniversário. Foi batizada como Flor Bela de Alma da Conceição Espanca, e foi uma poetisa portuguesa. Era filha de Antónia da Conceição Lobo e do republicano João Maria Espanca.

             Florbela tentou suicidar-se por três vezes. Não resistiu à terceira tentativa do suicídio. Faleceu em Matosinhos, no dia do seu 36º aniversário, a 8 de Dezembro de 1930. A causa da morte foi a sobredose de barbitúricos.

Escolha de Bruna Pereira, 8.ºD

Escola reforça parceria com CLDS 02/11/2011

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012, palavrasdesever.
add a comment

O Agrupamento de Escolas de Sever do Vouga discutiu e aprovou as novas propostas de intervenção da equipa de psicologia do CLDS para o ano lectivo de 2011/2012, no passado mês de Setembro.

A parceria já existente entre estas instituições foi reformulada de modo a dar repostas às necessidades dos alunos, professores, auxiliares e pais/Encarregados de Educação, no âmbito da Psicologia e Formação comportamental/Desenvolvimento Pessoal.

Estes novos projetos contam com intervenções da equipa do Centro Social e Paroquial Mrª da Glória e Contrato Local de Desenvolvimento Social de Sever do Vouga, direcionadas para os diferentes públicos escolares. Irão ser desenvolvidos ateliês destinados aos alunos, para além do acompanhamento psicológico individual, InExpressões (treino comportamental), PerCursos (orientação vocacional). E outros destinados a professores e auxiliares, EducArte e InterAgir. Para pais/Encarregados de Educação serão realizadas sessões mensais de treino parental (designadas de «Clube de Pais»).

Jornalista no terreno: Carolina Hadden, 8ºD

4-2: Pessegueiro do Vouga detém o 4º lugar no campeonato 28/10/2011

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
2 comments

No Pavilhão de A.C.R.R.P.V, no domingo, a equipa do escalão Iniciados de Pessegueiro do Vouga ganhou o jogo contra Cucujães por 4-2,assumindo assim no fim da quarta jornada, o 4º lugar do Campeonato Regional de Aveiro.

 Neste momento têm 9 pontos, tendo marcado 26 golos e sofrido 16 durante o campeonato.

Dos quatro jogos, até agora perderam um contra o São João da Madeira, tendo ganho os restantes três (contra o Paivense, o Mealhada e o Cucujães).

Os golos marcados durante o campeonato são da autoria de André Ventura (7 golos), Carlos Rodrigues (6 golos), Diogo Figueiredo (5 golos), Miguel Pereira (1 golo), Pedro Pereira (1 golo) e João Martins (1 golo).

Esta equipa é treinada por dois jogadores que pertencem à equipa dos Seniores, que são o André Martins e o César Rocha. Carlos Rodrigues, jogador, espera “que a equipa continue com o bom trabalho e os bons resultados durante o resto do Campeonato para que consigam chegar ao nacional”.

    Carlos Rodrigues, 8ºD

 

Remédio para o mau comportamento 27/10/2011

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
1 comment so far

Antimaucomportamentex

Composição

200 ml de silêncio, 1 calmante ralado, 28 gotas de chá de Camomila, 5 gotas de chá de erva cidreira, uma pitada muito pequena de piripiri (para manter o doente acordado).

Forma farmacêutica

Pastilha elástica.

Indicações

Tomar antes das aulas. Só se deve tomar em caso de mau comportamento.

 Posologia e modo de administração

Dos 6 aos 10 anos – meia pastilha antes das aulas.

A partir dos 11 anos– 1 pastilha antes das aulas.

Tomar 5 minutos antes de entrar na sala de aula.

Contraindicações

Se tiver tomado o medicamento não deve conduzir seja o que for.

 Efeitos secundários

Inchaços na língua. Dores de pernas. Morte (1 em cada 100 000 000 000 de pessoas).

Trabalho elaborado por:

 Ana Tavares  nº1  8ºD, David Estrela  nº10  8ºD, Natália Rodrigues  nº23  8ºD, Priscillia Ramos  nº25  8ºD

Igreja de Pessegueiro recebe TVI 27/10/2011

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

Foi no passado domingo que a igreja de Pessegueiro do Vouga recebeu a TVI, que daí transmitiu a missa do dia 16 de Outubro.  

É um orgulho para a nossa localidade saber que a Igreja de Pessegueiro do Vouga difundiu em direto uma missa muito bonita e especial, na opinião de vários espetadores. Foi uma celebração onde apareceram várias caras conhecidas, entre elas a de uma das melhorEs alunas da Escola Básica de Sever do Vouga : Ana Carolina Hadden. 

Gabriel Silva, 8ºD

Remédio para a dor de cotovelo 27/10/2011

Posted by Professor@_AESV in 8ºD, Ano Letivo 2011/2012.
add a comment

1. Denominação de medicamento

Cotuvelex, 400 mg pomada

 2. Composição

           80mg de autoestima

           110mg de vida própria

           90mg de se preocupar consigo mesmo

           120mg de cura para a parvoíce

 3. Forma Farmacêutica

            Pomada

4. Indicações Terapêuticas

            Cotuvelex é uma pomada adequada para pessoas que não têm vida própria e se preocupam mais com a dos outros.

        4.1. Posologia e Modo de Administração

                Adultos: 3 vezes ao dia.

               Crianças: a partir dos 5 anos (até aos cinco anos, esperemos que não seja preciso).

               Dos 6 aos 12 anos: 2 vezes por dia.

               Utilizar na zona do cotovelo.

Efeitos secundários:

Gases incontroláveis. Perda de cabelo. Cãibras.

Contra-indicações:

Pessoas diabéticas.

Bula feita por:

Ana Beatriz Carvalheira Nº2 8ºD, Bruna Pereira Nº6 8ºD, Cláudio Gomes Nº9 8ºD, Fátima Ribeirinha Nº19 8ºD

24/01/2011

Posted by fatimapoirier in 8ºD, Ano Lectivo 2010/2011.
add a comment

   

             “As Teorias do Nilton” é o primeiro livro do Stand Up Comediant Nilton e é uma obra da Texto Editores.

            É um livro que contém muitas das suas teorias, que foram reveladas ao país através da Rádio Comercial, rádio onde expõe algumas das suas divertidas ideias. Estas são maioritariamente críticas ao Estado Português, enquanto entidade política que governa o país, mas também ao povo português, ao “Tuga”, como ele costuma dizer.

            Esta compilação é o fruto de muito trabalho e dedicação por parte do autor na observação do mundo onde vive, pois nos seus textos pode verificar-se que existe uma análise aguçada de alguns hábitos/manias dos habitantes de Portugal. Conseguimos reconhecer-nos nos seus comentários, em alguns “tiques” por ele enunciados, nos quais apesar de serem verdadeiros, nunca antes tínhamos pensado.

            Este conjunto de “teorias” cheias de ironia têm como principal objectivo divertir o leitor que, gargalhada após gargalhada, só consegue parar de ler quando chegar ao fim do livro.

            Foi uma boa aposta deste Stand Up Comediant. Serve-se não só da voz para animar qualquer pessoa, mas também do poder mágico das palavras escritas que tantas vezes já nos fizeram “chorar a rir”. Depois de ler este livro, a maior parte dos leitores vão meditar e chegar à conclusão que este excelente comediante ainda tem muitos para nos dar e nos fazer rir.

Crítica de Daniel Silva, nº 14, 8º D