jump to navigation

Texto motivado pela leitura de Sexta-Feira ou a Vida Selvagem, de Michel Tournier 21/04/2015

Posted by joaoresende2012 in palavrasdesever.
add a comment

Sexta-Feira

Porquê ficar?

 

Robinson teve a oportunidade que tanto desejava: poder sair daquela ilha, voltar para casa, para a sua família. No entanto não o fez. Robinson não abandonou o local que criara, que era fruto do seu trabalho. Mas porquê? Porque é que ele decidiu ficar?

Pois… Robinson decidiu ficar na ilha porque lhe era fiel, porque nunca abandonaria o local onde vivera tantas aventuras, para o trocar por um sítio que dizem ser civilizado, mas que, no entanto, era habitado por pessoas com mentalidades cruéis, completamente diferentes da sua.

Mas será que para a maioria das pessoas ele tomou a decisão certa?

É possível que não. É possível que sim. Tal como Domingo decidiu ficar na ilha e Sexta-feira decidiu abandoná-la, toda a gente tem a sua opinião, depende da perspetiva de cada um. No entanto nós concordamos e apoiamos a decisão de Robinson.

Em primeiro lugar, este deixaria um sítio, que apesar de solitário, era onde ele se sentia bem, para ir conviver novamente com humanos. Vivia naquela ilha há quase trinta anos, iria ele habituar-se a uma nova realidade?

Além disso, abandonaria o local onde fora tão feliz, onde aprendera tantas coisas novas, onde praticamente criara o seu próprio mundo. Robinson não podia fazê-lo. E foi por isso que, apesar de esta ser uma vida um pouco retirada da realidade, um pouco só e bastante monótona, Robinson decidiu ficar na ilha.

Ficar por ter de ficar,

Ninguém pode suspeitar,

Mas ficar por querer ficar,

Ninguém pode explicar.

 

Robinson sabia,

Que se de lá saísse

Jamais lá voltaria.

E um dia,

Em que confuso se sentisse

Desprezado seria.

 

Julgar, ninguém o deve fazer.

Mas sim devem ver,

Com olhos de gente

A coragem desta mente

Pura e caridosa.

Mas que pessoa maravilhosa!

Beatriz Dias e Maria Ribeiro, N.os 5 e 16, 7.º C

Comboio, comboinho – texto poético de Mariana Rebelo 17/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD.
add a comment

c933d-e132-viseu-viseu15hi6

Comboio, comboinho
Devagar, devagarinho
Vais até aos teus destinos
Largar os meninos

Comboio a vapor
Que trazes o meu amor,
Trá-lo até mim
Que ele traz-me uma flor

Mariana Rebelo, 5.ºD, n.º 18

A mãe – texto poético de Clara Dias 16/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Ela é que me faz companhia
de noite e de dia.
Ela é que me canta uma canção
quando se parte o meu coração.
Quando eu morrer
ela vai-me fazer viver.
Foi ela que me transformou
de sementinha em menina.
Sem ela sinto-me
um pássaro desmaiado,
um cabelo despenteado,
um golfinho feio,
um campo sem centeio,
um candeeiro desligado,
ou um homem desempregado.
Ela é bonita como:
uma flor florida
ou uma medalha colorida.
Ela é minha mãe
mais ninguém a tem.

     Clara Dias, 5.ºD

A amizade – texto opinativo de Luana Rodrigues 15/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

A amizade é um sentimento essencial na nossa vida. Ninguém pode viver feliz sem amigos.

A amizade permite ter amigos com os quais podemos contar nos momentos bons e difíceis. Quando estamos em grupo, num convívio, é muito bom podermos falar uns com os outros sobre os nossos problemas e as nossas dificuldades. Por outro lado, permite confiar nos amigos, para partilhar os nossos problemas e ideias. Os verdadeiros amigos ajudam-se uns aos outros porque existe amizade entre eles.

Por tudo isto, a amizade é fundamental na nossa vida. Sem ela, não podíamos conviver uns com os outros de forma feliz.

Luana Santos Rodrigues, n.º 13, 5.º D

Esperando a noiva, de Edgar Almeida 15/04/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Esperando a noiva

Estava eu na igreja,

Cercaram-me as pessoas

cheias de inveja!

Eu esperando a noiva!

Eu esperando a noiva!

 

Estava eu na igreja diante do altar,

Cercaram-me as pessoas

sempre a espreitar:

Eu esperando a noiva!

Eu esperando a noiva!

 

Cercaram-me as pessoas sem o meu agrado,

Noiva não tenho eu a meu lado:

Eu esperando a noiva!

Eu esperando a noiva!

 

Cercaram-me as pessoas para maldizer,

Pensei «noiva, não sei mais o que fazer»:

Eu esperando a noiva!

Eu esperando a noiva!

 

Chegou o carro, com o seu condutor,

Eis que no banco traseiro vem o meu amor:

Eu esperando a noiva!

Eu esperando a noiva!

 

A noiva do carro saiu,

E todo o povo aplaudiu:

Eu esperando a noiva!

Eu esperando a noiva!

 

 Edgar Almeida, 8.ºB

(inspirado no poema de Mendinho “Estava eu na ermida de São Simão”)

O comboio a vapor 10/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

O comboio a vapor

Só para em Timor!

De Alcântara

A Famalicão

Ele estará sempre

No meu coração.

 

Luís Filipe, 5.º D

 

 

Sou um comboio 10/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Sou um comboio

Que gosta de andar

Eu ando a vapor

E não gosto de parar

 

João Rodrigues, 5.ºD

 

 

Quadra popular de amor 09/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

 Vai-te carta feliz voando

Não digas quem te mandou

Foi o amor pequenino

Que por ti se apaixonou

 

Recolha feita por Luciana Rodrigues, 5.º D

Comboio…Comboio… 09/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
1 comment so far

 

– Comboio…Comboio,

Onde vais?

– Vou a vapor até

À estação de Cascais.

 

Vou sempre abastecer,

Antes de anoitecer

E logo de manhã

Chego a Campanhã.

 

Lá vai o comboio,

Lá vai a apitar,

E as pessoas de Cedrim

Sempre a cantar.

 

Volta comboio

À minha terra

Pois aqui na serra

Toda a gente te espera.

 

Renato Ribeiro, 5.º D

 

O COMBOIO 09/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Lá vai o comboio, cheio de pressa!

Em cima dos carris vai andando,

Leva tanta gente e também a Vanessa

E para trás ficou alguém gritando…

 

Luana Santos, 5.ºD

Ninguém se lembra 09/04/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Ninguém se lembra

Do comboio a vapor

Cujo fumo

Tem um fétido odor!

 

Luciana Rodrigues, 5.º D

Livros 08/04/2015

Posted by joaoresende2012 in palavrasdesever.
add a comment

Estava triste,

Precisava de ficar só.

Peguei num livro ao acaso,

Sentei-me ao sol.

 

Folheava as folhas,

Via cada página,

Lia os parágrafos,

Observava as imagens.

 

Percebi que a história

Era imaginária.

Tinha fadas, gnomos,

E uma misteriosa passagem.

 

No final deste conto

Tudo acabou bem.

Mesmo sendo breve

Tudo contém.

 

Fechei o livro.

Senti-me feliz.

Quis buscar outro

E foi o que fiz.

 

Eduarda de Sousa nº4 7ºD

07-04-2015

 

Poema à maneira de Mendinho 01/04/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
add a comment

fotos-do-universo-galaxia-nebulosa-21Estava eu ao luar

Especada a pensar

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Terá sido o Big Bang?

E lá continuava eu a pensar

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Não encontrava uma explicação

Para esta tal explosão

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Estava eu a olhar

para aquela imensidão

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Estrelas, cometas

Meteoritos e plutão…

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

 

Plutão? Porquê planeta anão?

Parece que nada tem uma explicação…

O que aconteceu ao universo?

O que aconteceu ao universo?

Beatriz Marques, 8.ºD, n.º1

O tesouro e a tesoura – um amor estranho 27/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºA.
add a comment

Era uma vez um tesourocaixa-de-tesouro-23523731

Que estava cheio de ouro

Era uma vez uma tesoura

Que gostava de um besouro.

 

O tesouro gostava da tesourasem nome

Mas ela cortava-lhe a confiança

E o tesouro cheio de esperança

Até lhe ofereceu uma aliança!

 

José Bastos Nº15 8ºA

Visita de estudo ao Porto 27/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºA.
add a comment

porto-portugalNo dia 3 de março, os alunos do oitavo ano da escola básica e Secundária de Sever do Vouga partiram em visita de estudo à cidade do Porto. Estes iniciaram a sua viagem às 8:15 da manhã, regressando por volta das 5 horas da tarde. Deslocaram-se de autocarro até Aveiro, à estação, apanhando um comboio até ao Porto. Aí, deslocaram-se a pé até ao museu interativo “World of Discoveries”. Os alunos, orientados por um guia, exploraram o museu. No final do percurso, embarcaram numa aventura e observaram os feitos mais marcantes da odisseia dos Descobrimentos.

Após visitarem o museu, os alunos dirigiram-se ao parque da cidade, a pé, onde almoçaram ao meio dia.

A seguir ao almoço, deram uma volta à cidade, com o propósito de visitar A Torre dos Clérigos.

No fim, os alunos entraram no comboio até Aveiro e voltaram, posteriormente, de autocarro à Escola por volta das 17 horas.

Na minha opinião, a Visita de Estudo foi muito interessante, pois, apesar de não corresponder ao que foi planeado inicialmente, as atividades estavam inteiramente relacionadas com a matéria dada nas aulas. Foi uma viagem emocionante, que proporcionou aos alunos consolidar as suas aprendizagens.

Em suma, gostei bastante da visita de estudo, por ter sido não só divertida, mas instrutiva. No entanto, penso que a atividade teve pouca duração.

Eduardo Amaral, nº10, 8ºA

 

A importância dos brinquedos 27/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºA.
add a comment

brinquedosNa minha opinião os brinquedos são importantes na infância de qualquer criança. O meu brinquedo favorito era uma boneca oferecida pelos meus pais.

Quando se oferece um brinquedo a uma criança pode-se ver a alegria nos seus olhos. É como se a melhor coisa do mundo lhes tivesse acontecido, pois as crianças sentem-se como adultos, as raparigas fingem que são mães e professoras e os rapazes pais: fortes e capazes de conduzir. Isto é essencial para uma criança crescer psicologicamente.

Eu também tive um brinquedo especial, uma boneca para ser mais precisa. Infelizmente, perdi-a quando mudei de casa, mas ainda me lembro dela. Tinha a pele cor de chocolate e os olhos azuis como o céu. Vestia um vestido às flores e calçava uns sapatinhos cor-de-rosa. Não tinha cabelo.

Eu gostava muito dela, pois estava sempre ao meu lado, mesmo quando tinha pesadelos, e como não tinha irmãos era a minha única companhia.

Eu sentia-me feliz quando estava com ela, e acho que todas as crianças deviam sentir-se assim.

Catarina Pereira, n.º6, 8ºA

Poema à maneira de Mendinho 27/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºA.
add a comment

Estava eu no meu jardim  jardim

A ler o livro do Tintim

Perdida no meu mundo

Perdida no meu mundo.

 

Estando eu a apanhar sol

Aparece em caracol

Perdida no meu mundo

Perdida no meu mundo.

 

A ler o livro do Tintim

Não me ausentei do jardim

Perdida no meu mundo

Perdida no meu mundo.

 

Com as histórias do Tintim

Fico sempre assim

Perdida no meu mundo

Perdida no meu mundo.

 

Não me ausentei do jardim

Mesmo quando chamaram por mim

Perdida no meu mundo

Perdida no meu mundo.

 

Fico sempre assim

Quando a história chega ao fim

Perdida no meu mundo

Perdida no meu mundo.

 

Carolina Pires, n.º5, 8ºA

A moda é esquisita – poema satírico 26/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
1 comment so far

 

A juventude de hoje em dia

Não é como antigamente.

Mas o que de nós seria

Se mudássemos de repente?

m

 

Lá vai a rapariga

Com roupa inexistente,

Sempre a mostrar a barriga

Achando-se ela atraente.

m

 

Aparece depois o rapaz

Com o seu boxer ao léu,

Cabelo rapado de lado e atrás

E uma grande crista virada pró céu.

M

 

Mas que estranha moda é esta?

Cheia de grandes vaidades!

Parece que vão para a festa

Em todas as idades.

 

Ana Francisca Ferreira, 8.ºC

Relatório sobre a Visita de Estudo ao Porto 26/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

No dia nove de março de 2015, foi realizada uma Visita de Estudo, ao Museu “Wolrd of Discoveries”, no Porto, com os alunos do 8.º ano da Escola Secundária de Sever do Vouga. Esta viagem teve início às 8h00m e desfecho às 18h00m.

Da parte da manhã, os alunos dirigiram-se ao Museu, onde usufruíram de um reconto da Época dos Descobrimentos, puderam andar de barco” e observar o “Brasil”, a “Índia”, a “China”, “O Cabo Da Boa Esperança” e também tudo o que estes locais tinham para ver, como por exemplo:

  • Animais exóticos;
  • Especiarias;
  • Os habitantes locais;

Do meu ponto de vista, a parte mais empolgante foi a “Viagem de Barco”, porque gostei da forma utilizada pelo Museu para nos explicar com foi a “Época Dos Descobrimentos”.

Eu fiquei impressionado pela positiva com esta Visita De Estudo, porque foi diferente, foi engraçada e foi um bom momento de interação entre professores e alunos.

 

Renato Rodrigues, 8.ºC

 

 

 

 

 

Poema satírico sobre o estilo “gótico” 25/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Gótico, pelos vistos, já não é

Só em altura, mas sim na cor.

Olhos e unha pretas até,

Parece que levaram um murro de jacaré!

 

Preto, negro e escuro,

São as novas tendências

Da cor artificial,

Mas eles dizem

que não lhes fica mal!

 

São opiniões…

 

Renato Rodrigues, 8.ºC

És tu a minha graça 25/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

És como uma graça,
És tu que descreves meu sentimento,
Um sentimunto muito doloroso
Para mim, uma desgraça.

Mas mais belo que todos
És somente tu a fazê-lo,
Serei sempre eu a protegê-lo
Por muito que goste deles.

És tu quem vou amar
Mesmo ficando presa
Na alegria e na tristeza,
Lá estarei sempre para te apoiar.

És lindo como nunca vi,
Os meus olhos só brilham por ti,
És o único que me faz feliz,
Com a vida que sempre quis.

 

Bruna Rodrigues, 8.º B

Sinto-me incapaz 24/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Sinto-me incapaz
De fazer os laços
Só quero baixar os braços
Quero fugir sem olhar

Serei capaz?

Estou ao pôr do sol
Sem querer,
Sem te sentir,
O que só me faz pensar em ti.
Vem ter comigo,
Só te quero a ti.

És o mais belo
De todos aqueles
Que me trata bem
E me faz feliz,
Sem uma vez pensar

Em desistir
Por ti.

Bruna Rodrigues 8.ºB

Ditos populares sobre a confiança 22/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

“Na confiança está o perigo.”

“Quem não confia, não é de confiar.”

“Muita confiança, pouco respeito.”

“A confiança é a mãe das deceções.”

“Confiança quebrada, nunca recuperada.”

“Confiança é boa, mas controle é melhor.”

“A vida e a confiança só se perdem uma vez.”

“Confiar no futuro, mas pôr a casa no seguro.”

“A sobeja confiança faz desfalecer nas obras.”

“Confiar com um olho, e desconfiar com o outro.”

“Confiança não se dá nem se toma emprestada, conquista-se.”

 

Pesquisa realizada por Luciana Rodrigues, 5.ºD

No Projeto + Contigo 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

No projeto + contigo

aprendi a controlar-me,

a dizer não a um amigo.

 

Também aprendi a resolver

os problemas no momento

e a não os deixar para trás

como se fossem vento

ou até mesmo chuva a cair:

cada gota a cair

e o problema

sem diminuir.    

                                                           HUGO VAZ, Nº12, 8ºB

A Graça 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Biografia

A Graça é uma giraça

que aquece o pessoal

mas ninguém leva a mal

é que por onde passa tudo assa.

 

Olham, olham e chamam-lhe uma brasa,

queriam, queriam que ela caísse

e queriam que ela sorrisse

mas ela é a graça

que por onde passa

tudo arrasa.

 

                                                                                                                         Hugo Vaz ,nº12, 8ºB

(inspirado no poema “Endechas a Bárbara”, de Luís de Camões)

 

Amor 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

“Amor a gente conquista,

Amizade a gente cativa

Tristeza!?

Essa de nada a gente precisa!”

 

Pesquisa feita por Gonçalo Ribeiro, 8.º B

O que faço agora? 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
1 comment so far

"Esperança", de Miguel TorgaPartiste e não regressaste,

nem sei se o vais fazer.

Espero, porque sou paciente

Espero, porque estou apaixonada

Espero, espero e espero mas… nada.

Acho que estou desesperada.

 

Quando estou triste, penso em ti,

nos teus olhos cor de mel,

no teu cabelo negro,

penso no que me dirias para me animar,

sabes sempre o que dizer, o que fazer.

 

O que faço, agora que partiste?

O meu sentimento não morreu, não morrerá.

Sei que agora és uma estrela no céu

a olhar por mim.

 

Vou começar do zero,

Tentar novamente amar,

Mas não te preocupes,

haverá sempre lugar para ti

no meu coração.

Um lugar que nunca

ninguém conseguirá ocupar.      

 

Diana Ferreira, 8.ºC

Teddy, o urso magnífico – texto opinativo sobre a importância dos brinquedos 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Eu concordo com a afirmação de que os brinquedos são essenciais na infância das crianças, pois também tive um, o TEDDY, o urso de peluche.

Os brinquedos são como verdadeiros amigos para as crianças, pois estas interagem com eles. Há vários tipos de brinquedos: grandes, magros, peludos ou às pintas, que fazem bem à dentição de leite das crianças muito jovens, porque estas têm a mania de meter tudo na cavidade bucal.

Quando fiz dois anos, recebi um ursinho de peluche e muitas mais prendas, mas identifiquei-me logo com o urso. TEDDY, como eu o batizei, era enchidinho, alto e também orelhudo. Falava e dormia sempre comigo. Era o meu melhor amigo, pois nunca, mas mesmo nunca, me considerava chato.

Quando eu tinha receio do escuro, apertava-lhe o nariz e ele iluminava-se com uma cor brilhante, como por magia, então eu perdia todo o medo.

Em suma, os brinquedos são muito importantes para as crianças terem um verdadeiro amigo e não se sentirem sozinhas.

Renato Rodrigues, n.º22, 8.ºC

 

O que faço agora? 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

"Querer" - Pablo NerudaNão sei como hei de dizer,

exprimir e expressar

o que sinto por ti,

pois tudo o que para mim és

não cabe no meu coração!

 

Na terça-feira não vieste,

Senti-me muito incompleto

Como se fosse um puzzle,

À procura das últimas peças!

 

Não sei se és linda ou feia,

Mas de certeza que és perfeita como és,

Se não, não me tinha aproximado de ti!

 

O deserto não vive sem areia,

E eu não vivo sem ti.

Morrerei por uma flor, como tu?

Ou morrerei pela Bibi?

 

Renato Rodrigues, N.º22, 8.ºC

(escrita poética no âmbito do Dia dos Namorados)

 

 

 

O que terá acontecido a Agualberto quando se “emboreou”? 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

       Agualberto emboreou-se para o mar e mergulhou tão fundo que se tornou um “sereiturão”.

       Ao navegar pelos mares encontrou a sua amante e beijou-a à “beserão”. Passado um ano o seu efeito de “sereiturão” desapareceu e veio à superfície já com visão.

       Quando notou que já via, foi ter com o filho.

André Ventura, 8.º B

(inspirado no estudo do conto Mar me quer, de Mia Couto)

Tudo o que precisas de saber sobre o hobbit – texto expositivo 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Estes seres, dotados de pouca magia, temem as pessoas, são passivos e pacíficos.

Tais criaturas têm aproximadamente metade da altura de um homem comum e as solas dos seus pés são naturalmente coriáceas.

Normalmente, os hobbits fogem das pessoas, porém são sociáveis com os da sua espécie. São organizados e não apreciam aventuras.

Em consequência da sua riqueza, o seu lar é espaçoso e confortável, já que devido à sua casa repleta de divisões, as suas visitas sentem-se aconchegadas.

Para finalizar, os Hobbit’s são seres interessantes e extraordinários, embora sejam um pouco estranhos nos seu hábitos rotineiros e tímidos.

 

Renato, Lucas Martins, João Bastos e Gonçalo Costa, 8ºC.

Relatório da visita de estudo ao Porto 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Na visita de estudo do dia 9 de Março, fomos ao Porto. Saímos da escola mais ou menos às 8:10 da manhã e chegámos por volta das 10. Fomos de autocarro até à estação de Aveiro e depois de comboio até ao Porto e fizemos o percurso ao contrário no regresso. Esta visita englobou todas as turmas do 8.ºano da nossa escola.

Primeiramente, quando chegamos à estação de São Bento fomos até ao Museu Interativo e Parque Temático ‘’ World of discoveries ‘’ onde assistimos a um curto vídeo e vimos barcos, instrumentos e o interior dos barcos dos portugueses. Também embarcámos numa espécie de canoa a passar por réplicas de vários sítios no mundo pelos quais os portugueses passaram. Depois, fomos almoçar a Gaia, à beira do rio Douro, e para isso tivemos de passar a ponte D. Luís. De seguida, fomos ver a torre dos clérigos e ainda foi-nos permitido andar pelo Porto durante cerca de 20 minutos  e depois voltámos à estação de São Bento para voltarmos a Aveiro.

A parte que mais adorei na visita foi quando andámos na canoa no Museu Interativo e quando tivemos 20 minutos de liberdade, a parte de que menos gostei foi a de ter de caminhar muito.

Adorei a visita mas gostava que pudéssemos andar mais tempo livremente. Achei a visita muito adequada ao tema que demos em História.

 António Bastos N.º5 8.ºC

O que o povo diz sobre a vaidade 21/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

“Não te envaideças do que sabes e repara sempre no que fazes.”

“A vaidade é o alimento dos tolos.”

“Vaidade em cima, nulidade em baixo.”

“A vaidade dos ricos é o recurso dos pobres.”

“Vaidade de pobre é defeito, e de rico é enfeite.”

“A vaidade é irmã da beleza e a luxúria é sua filha.”

“A vaidade dos outros é insuportável por ferir a nossa.”

“A vaidade, é o amor próprio a descoberto; a modéstia, é o amor-próprio que se oculta.”

“A vaidade força-nos a fazer mais coisas contra a nossa vontade do que a razão.”

“Não sejas vaidoso nem orgulhoso, pois o orgulho e a vaidade custam mais caro do que a fome e a sede.”

“Não te envaideças do que sabes e repara sempre no que fazes.”

“A vaidade dos pequenos autoriza o orgulho dos grandes.”

“A vaidade é faladora; o orgulho, silencioso.”

“Vaidade das vaidades, tudo é vaidade.”

“No mundo tudo é vaidade.”

 

Pesquisa feita por Luciana Rodrigues, 5.º D

 

Adágios populares sobre arrependimento 21/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

“O arrependimento lava a culpa.”

“Dos arrependidos é o reino dos céus.”

“Onde acaba a ira, começa o arrependimento.”

“Se arrependimento matasse, eu já estava morto.”

“Juízo apressado, arrependimento dobrado.”

“Moço desprevenido, velho arrependido.”

“O arrependimento é quase inocência.”

“Antes não ser contente que arrependido.”

“Tarde se arrepende quem tudo despende.”

“A pressa é a madrinha do arrependido.”

“Quem depressa resolve, depressa se arrepende.”

“O arrependimento cessa quando esquece o castigo.”

“O noivado vai a cavalo, e o arrependimento à garupa.”

“Quem casa a correr, toda a vida tem para se arrepender.”

“Cumpre sempre o teu dever, se não te queres arrepender.”

“De cedo casar e cedo madrugar, arrepender-te-ás, mas muito mal.”

“Nunca te arrependas do que foste porque ainda o és.”

“Antes um bom arrependimento que um mau casamento.”

“Até ao dar da mão há arrependimento.”

“Mais vale precaução que arrependimento.”

“Nunca te arrependas do bem que fizeres.”

“O arrependimento é a primavera da virtude.”

“Atrás do consentimento, anda perto o arrependimento.”

“Loucura breve, longo arrependimento.”

“Há de se arrepender mas será tarde.”

“O arrependimento é o remorso aceito.”

“Quem se arrepende, vai ao céu.”

“Mais vale cautela que arrependimento.”

“Quem se arrepende, salva-se.”

 

Pesquisa relaizada por João Rodrigues, 5.ºD

Poema Satírico sobre “As Modas de Hoje Em Dia” 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Ai, a moda de hoje em dia,

de cueca sempre cheia

e de calças nos joelhos,

de rabiosque empinado.

 

Lá vai ele a atravessar a rua

com a mão segurando as calças

e cinto a fazer feitio.

Que rabiosque lindo!

 

O trânsito para

ao ver tal coisa,

que cuequinha tão linda!

 

A velhota desmaiou

a ver a manchinha castanhinha

e o cinto nos joelhos.

 

André Ventura, 8.ºB

(inspirado no poema “Chaves na mão, melena desgrenhada”, de Nicolau Tolentino)

Provérbios para fazer pensar sobre fazer uma promessa 21/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
1 comment so far

“Promessa é dívida.”

“Promessas, só as de Cristo.”

“Quem nada promete, nada deve.”

“Promete pouco e cumpre muito.”

“Quem promete, em dívida se mete.”

“De promessas quem vive é santo.”

“Muito prometer, é sinal de pouco dar.”

“De promessas está o inferno cheio.”

“Quem mais promete, menos cumpre.”

“Prometer não é dar, mas a tolos contentar.”

“Muito prometer é uma maneira de enganar.”

“Quem promete com pressa, arrepende-se com vagar.”

“Mais vale não prometer do que prometer e faltar.”

“Mais irrita o falso prometer que o pronto recusar.”

“Quem promete à quarta e vem à quinta, não faz falta que se sinta.”

“Promete em dúvida, que ao dar ninguém te ajuda.”

“Pensa antes de prometer e, prometendo, cumpre.”

“Prometer e cumprir, caso é de estranhar.”

“Muito prometer é uma maneira de enganar.”

“Quem promete, faz uma dívida.”

“É mais fácil prometer que dar.”

“Prometer e faltar, caso é trivial.”

“Promete pouco e cumpre muito.”

“Quem muito promete, pouco dá.”

“Ao prometer não dói a cabeça.”

“Promessas leva-as o vento.”

“Prometer mundos e fundos.”

“Até no prometer, sê escasso.”

“Quem promete, cumpra.”

“O prometido é devido.”

“Quem promete, deve.”

 

 Pesquisa feita por João Rodrigues, 5.º D

 

 

 

 

 

A grande aventura – texto dramático 21/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

(Entretanto, o Pirata, Serafim e Malacueco chegam à ilha.)

PIRATA-Vão buscar comida, estou cheio de fome!

SERAFIM e MALACUECO-Sim, vossa excelência.

(O Pirata ficou sozinho, ouviu uns barulhos esquisitos.)

PIRATA (a tremer.) -São vocês os dois?Apareçam já!

(Aparecem macacos falantes com lança-chamas.)

CHEFE MACACO-FALANTE- Agora és nosso prisioneiro!Eh eh eh!

PIRATA(desesperado) -Ajudem-me, Serafim e Malacueco!

(Os macacos levam o Pirata para a “toca”.Entretanto, na selva.)

SERAFIM-Ouviste, Malacueco, o chefe precisa de ajuda!

MALACUECO-Deixa lá, vamos mas é embora desta ilha.

SERAFIM-Mas nós somos os criados dele e os criados servem para tudo.

(Eles vão a “toca”, pagam o resgate do Pirata e vivem uma vida feliz de pirata.)

 

 Luciana  Rodrigues, 5.ºD

A mais linda paisagem – texto descritivo 21/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Serafim e Malacueco observavam aquela bela paisagem. Ela era linda e acolhedora.

Nesta paisagem estava um lago com um barco de madeira reluzente de tanto ter sido polida. À beira do lago, tinha uma casa e flores que cheiravam bem.

 

Luciana Rodrigues, 5.ºD

Quadras sobre o Projeto + Contigo 21/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Resolver um grande problema,

Como fez a minha prima Ema

É muito mais fácil com o projeto “+ contigo”,

Pois ganhamos um verdadeiro amigo!

 

Perdoar é algo difícil de fazer,

Mas cada pessoa é como tem de ser,

Logo agradeço não do nada

Além do que o que conta é o OBRIGADO!

 

E apesar de já ter desenhado muitas letras

Ainda não disse nenhumas petas,

Porque vem tudo do meu coração,

Pois o que conta é a intenção!

 

Renato Rodrigues, Nº.22, 8.ºC

Recusa de Maria 11/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

-Maria , vai comer!

-Não!

-Vai correr!

-Não!

-Então o que queres fazer?…

-Nada…

 

-Vais ficar no sofá?

-Não!

-Vais ficar na galhofa

todo o dia…

-Não!

-Então , não dizes mais nada

a não ser NÃO?…

-Não!  

 

Daniela Pinho, 5.ºD

Ribeiro 11/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
5 comments

Ribeiro

Com um olhar distante

Mas sempre constante

Ribeiro – talvez um olheiro

 

Sabe-se que é curioso

Pessoa meiga

Com um coração de manteiga

E não maldoso

 

Guilherme Ribeiro, 8.ºB

Primeira página do meu diário 09/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºD.
6 comments

Cedrim, 01 de Dezembro de 2014

Querido diário,cristiano

É a primeira vez que te estou a usar e vou-te chamar Ronaldo porque é em homenagem ao Cristiano Ronaldo, que é para mim o melhor jogador do mundo e é o meu ídolo; gostava de jogar como ele.

Vou falar mais sobre mim, sou um pouco sensível e muito engraçado. Gosto muito de fazer as pessoas rir, sou amigo do meu amigo e não gosto que gozem comigo.

Sou pequeno e magrinho, mas chego onde quero e já não me importo com o que os outros dizem.

Sou Portista de coração, tenho uma enorme paixão pelo Porto e pelo futebol, que é uma coisa que me corre nas veias.

O que mais gosto de fazer é estar com os meus amigos, jogar futebol e estar com a minha família.

 

Pedro Costa, n.º 18, 8ºD

Estava eu em Santarém (poema à maneira de Mendinho) 09/03/2015

Posted by prof_mjoao in 8ºA.
add a comment

Estava eu em Santarém

A ver quem passava além

Mas que confusão

Mas que confusão

 

Estando eu em Santarém

Visitarei o Senhor Belém

Mas que confusão

Mas que confusão

Santar_m_Escudo

A ver quem passava além

Reconheci a Senhora Belém

Mas que confusão

Mas que confusão

 

Tivemos uma longa conversa

Mas ela estava com pressa

Mas que confusão

Mas que confusão

 

Visitarei o Senhor Belém

Se não vir mais ninguém

Mas que confusão

Mas que confusão

 

Mas ela estava com presa

Que falamos muito depressa

Mas que confusão

Mas que confusão

 

Cristiana Outeiro Pinho, Nº9 8ºA

Conselhos poéticos da Daniela Pinho, do 5.º D 03/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

nome

De que cor é o desejo?, de João Pedro Mésseder

O_livro_dos_desejosO livro dos desejos, de Vergílio Alberto Vieira

 

  • O cantar da Tila, de Matilde Rosa Araújo
  • Desmatematicar, de João Manuel Ribeiro
  • Sopa de letras, de João Manuel Ribeiro
  • Aquela nuvem e outras, de Eugénio de Andrade
  • A cor das vogais, de Vergílio Alberto Vieira
  • Estas são as letras, de José Miguel Ribeiro
  • Conto estrelas em ti, de José António Gomes
  • Era uma vez…, de Regina Gouveia
  • Poesia para a infância, de Alice Gomes
  • Brincar também é poesia, de Catarina Ferreira
  • Rimas e jogos infantis, de Maria de Conceição    

Todos estes livros a  estão na ESTANTE DE POESIA da nossa Biblioteca :)! Toca a descobrir os muitos segredos que escondem…

 

“Entrelinhas”, de João Manuel Ribeiro 03/03/2015

Posted by prof_helena in 5.ºD, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Fiz trinta por uma linha

E oito por um cordel

Para que fosses minha

Na vida e no papel.

 

Fiz das tripas coração

E do coração um cesto

Para te levar pão,

Fruta e tudo o resto.

 

Fiz um pé-de-vento

E da brisa um balancé

Para te dar assento

E ficar de pé.

 

Fiz juras de amor

E outras coisas tais

Para ser teu senhor

E escravo demais.

 

Fiz de mim gato-sapato

E outras figurinhas

Por te amar no retrato

E nas entrelinhas.

 

Poema escrito por João Manuel Ribeiro

in RONDEL DE RIMAS PARA MENINOS E MENINAS

Ilustrado por Anabela Dias

 

Escolha poética de Daniela Pinho, 5.º D

 

Estando eu na igreja de Santo António 02/03/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2013/2014.
add a comment

Estando eu na igreja de Santo António

Cercou-me o lume!

Eu esperando o meu amigo

Eu esperando o meu amigo

 

Estando eu naquele inferno

Assava que nem frango na brasa!

Eu esperando o meu amigo

Eu esperando o meu amigo

 

Cercou-me o lume

Não tenho extintor nem bombeiros,

Eu esperando o meu amigo

Eu esperando o meu amigo

 

Cercou-me o lume

Não tenho como escapar à morte!

Eu esperando o meu amigo

Eu esperando o meu amigo

 

 João Silva            n.º 14    8ºB

(Poema à maneira de Mendinho.)

Sexta-feira, 13 20/02/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
2 comments

É um dia como outro qualquer

Não causa desgraça

nem ao homem nem à mulher

 

É um dia como outro qualquer

Muitos acham-no azarento

Mas a única coisa que pode trazer

É muito, muito vento

 

Não nos devemos preocupar

Não é o fim-do-mundo

E podemos até passear

Sem pensar que o azar

Anda por aí a vaguear

Pois não é verdade

E o dia podemos aproveitar

 para ajudar o Sr. Andrade

 

 Alexandra da Graça Correia, n.º1, 8.ºC

 

Tudo o que te desejo 18/02/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
4 comments

A verdade mete medo

Não sei como te dizer…

Talvez ao estalar de um dedo

Uma ideia possa aparecer.

 

Tenho andado a adiar

O nosso primeiro passo,

Se continuar a pensar

Nunca mais me desembaraço.

 

Desejo-te um ano cheio de esperança

Pois és livres como uma perdiz,

Um ano com muita festança

Espero que sejas feliz.

 

És profunda como o oceano

Mas teu coração não é de seixo

E como sou um tipo bacano

Desde já te deixo

Um abraço com carinho

E um grande beijinho.

 

 Gonçalo Costa, n.º12, 8.ºC

Poema ao estilo de Mendinho 18/02/2015

Posted by prof_helena in 8ºC, Ano letivo 2014/2015.
4 comments

Estava eu na margem do rio,

O tempo passou de quente para frio.

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

Formou-se uma tempestade

Que grande que era,

Tempestade ou leoa

Qual delas mais fera?

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

Podem cair granizo, neve ou trovões

Mas eu a este poema não ponho travões.

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

Anoiteceu num instante,

Eu estava cheio de medo,

Aguardando que viesses bem cedo.

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

De repente um relâmpago caiu a meu lado

Olhei para as calças, estava molhado.

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

Se ficar aqui não tarda morrerei

Mas lembra-te de que

No teu coração sempre estarei.

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

Para este poema mais ideias não tenho

Um breve adeus aqui te deixo

Que tenho de ir limpar o ranho.

Eu esperando minha amiga!

Eu esperando minha amiga!

 

Gonçalo Costa, n.º12, 8.ºC.

 

18/02/2015

Posted by prof_helena in 8ºB, Ano letivo 2014/2015.
add a comment

Quando te vi

pela primeira vez…

só gostava de sentir o que vi

só mais uma vez!

 

Quando estou ao teu

lado só penso:

“O que faço agora?”

 

Quando me disseste “Olá”

pela primeira vez,

achei que o mundo ia acabar

nesse preciso momento.

 

E até agora não te quero dizer

o que sinto,

tenho medo,

como irás reagir?

 

Quando vou ter contigo

tenho medo

de corar,

por isso escrevo este poema,

para te dizer o quanto te amo

e o quanto te vou amar

para sempre.

 

Hugo Hadden, 8.ºB

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.